A cultura, a história e a união dos povos

Eu não Morri! Sei que estou abandonando um pouco o blog e que logo no início do mesmo isso é bem triste, porém, tenho mais duas semanas de aula e depois estarei livre pra passar mais tempo aqui.

No meio de tanta notícia ruim que vem ocorrendo ultimamente o atentado na França, mulheres e crianças mortas no oriente médio, terremotos, a catástrofe em Minas Gerais, entre outros… A questão é, no meio de tudo isso fica aquele sentimento de agonia, nos falta esperança.

Mas nem tudo é tão ruim, navegando por alguns grupos de estudos no Facebook eu encontrei uma matéria que me deixou extremamente feliz, é sobre uma senhora indígena de 81 anos cujo o nome é Marie Wilcox, a última pessoa fluente no idioma  Wukchumi no mundo, ela  se propôs a aprender a usar um computador e com isso escrever um dicionário imortalizando seu idioma. Do povo  Wukchumi (que é natural da Califórnia, EUA.) que antes contava com 50 mil pessoas, existem hoje apenas 200 vivos e eles contam com o inglês como seu primeiro idioma.

Após 7 anos escrevendo o dicionário, ela e sua filha Jennifer agora ensinam seu idioma nativo em sua tribo enquanto criam um dicionário em áudio para acompanhar o escrito já existente.

“Eu tenho dúvidas sobre minha língua, e sobre quem quer mantê-la viva. Ninguém parece querer aprender. É estranho que eu seja a última… Tudo vai estar perdido algum dia desses, não sei”

Eu vou deixar o documentário “Marie’s Dictionary”, disponível no Youtube, no fim dessa publicação, espero que tirem um tempinho para ver pois é realmente muito emocionante.

Mas minha intenção com essa publicação não era apenas falar sobre o dicionário de Marie e sim do nosso dicionário, da nossa língua, nossa cultura. Todos sabem que o Brasil é um país continental com extrema diversidade cultural, porém, seria muito hipócrita caso dissesse que existe respeito diante de toda essa diversidade, toda essa cultura.

cultura-popular-do-brasil-3

É necessário que nós, como brasileiros, mantermos nossa cultura viva, desde o Arroio Chuí ao Monte Caburaí. Com cultura não digo só nossos idiomas, que além do português também contamos com os idiomas de aldeias nativas e até mesmo de imigrantes de diversas parte do mundo, que ajudaram a construir nossa história e nossa identidade.

Está presente essa diversidade em tudo, na nossa comida (a famosa feijoada, creme de cupuaçu, brigadeiro, pão de queijo, pinhão, o cuscuz  paulista, o chimarrão, a caldeirada, buchada, azul marinho(…)), na nossa roupa, nos nossos costumes. É essa a nossa união, é isso que forma nosso país, independente de qualquer regionalismo. Podemos ter sido colonizados de forma diferente mas compartilhamos sim da mesma história, passamos juntos por diversas lutas na história sangrenta desse país, passamos juntos por ditaduras e repreensões, fomos juntos a luta pela nossa liberdade. Temos nossa história marcada na nossa música, na nossa literatura, na nossa arte em geral e na memória de nosso povo. Temos sim uma cultura, que apesar da influencia de diversos povos é só nossa e de mais ninguém.

E em meio a toda essa crise, esses conflitos de valores éticos e morais a impressão que se passa é que estamos nos distanciando cada vez mais… O progresso está enterrando nossa história e o dinheiro custa o sangue de nosso povo.

Sei que esse texto pode parecer um simples apelo emocional, mas, por favor consultem a história. Como faziam para colonizar? Destruíam a cultura dos povos locais, proibiam que se falasse qualquer outro idioma que não o português em nosso país, assim como outros colonizadores fizeram no resto da América e na África. Proibiram religiões indígenas e africanas, que são marginalizadas até hoje. Na Europa eram perseguidas pessoas pagãs, a igreja católica estava no ponto mais alto da hierarquia e assim continua até hoje. Conseguem entender?

Bom, por hoje é isso. Espero que reflitam sobre o que eu falei. E vejam o vídeo abaixo sobre o dicionário de Marie, ato que foi a inspiração para esse meu texto.

Anúncios

Resenha de filme: A Arte da conquista

Olá pessoal! Desculpe por ter sumido por tanto tempo, último ano de colégio e as coisas andam corridas… Finalização de trabalho, TCC e etc… Enfim. Vamos ao que interessa.

Primeiro, quero deixar que essa publicação mostra simplesmente minha opinião sobre o filme, quer uma crítica da imprensa veja aqui.

E deixando claro que pode conter alguns spoilers, nada de mais mas tem.

George Zinavoy é um adolescente no ultimo ano da escola que acha que o ser humano nasce e morre sozinho (que, ao meu ver, não está errado) e acredita que a forma como a vida decorre uma grande perda de tempo e tudo uma ilusão, afinal, vamos todos morrer no final. Ele vive o ultimo ano de colégio com esse pensamento amargo, sem cultivar amigos e negligenciando as tarefas da escola, colocando em risco seu diploma mesmo não estando nem aí pra isso e seu futuro. As únicas coisas que se sente motivado a fazer  são seus rabiscos e desenhos nos cadernos.

aif1eogbwsquun98b0yek176l

Já Sally é uma garota de sua turma que se aproxima dele, porém, devido a dificuldade dele em se expressar e lidar com sentimentos (me chamou bastante atenção quando ele soltou uma de “sou alérgico a hormônios”, no caso, aos hormônios dele) e o papo dela de “só somos amigos” o relacionamento deles fica muito complicado e doloroso principalmente para ele.

Por intermédio de um professor ele conhece Dustin –e leva Sally para conhece-lo também- um artista o qual se torna um amigo e com o qual  Sally se envolve mais tarde, mas essa não foi uma relação tão explorada quanto eu esperava na história, acho que esse triangulo deveria ter mais destaque no filme.

Outro ponto que para mim “passou despercebido”  foi os problemas da família de George, se fosse melhor explorado daria outra cara ao filme, o tornando tudo bem mais interessante. George .não tinha proximidade alguma com a mãe (menos ainda com o padrasto) e isso me intrigou o filme todo… Não deu detalhes sobre seu relacionamento com ela, nem os problemas financeiros da família… E seu pai biológico só foi citado uma vez no filme.

art-of-getting-by5

Ok, mas o que os pais tem de mais na história? Por que está reclamando da falta deles?

Simples, George tem uma forma de pensar muito peculiar e isso deve ter começado em algum momento de sua vida… Acho que explorando um pouco mais a história da família nós encontraríamos isso de forma mais clara. Isso fez falta para mim.

No fim George se encontra com todos os problemas que negligenciou durante o ano em suas mãos, prestes a perder sua casa, a garota que ama e seu diploma (perder o diploma traria diversas complicações no futuro dele). Agora para saber como essa confusão toda termina vão ter que assistir, sem mais spoilers.

Considerações finais: Se for para dar uma nota de 0 a 10 seria 8,5. Apesar de não ter sido tão explorado quanto deveria, o filme era realmente ótimo. Gosto de filmes nesse tipo de tema.

Enfim, quem tiver assistido pode falar o que achou nos comentários. Vou adorar ver outros pontos de vista.

Até mais! o/

Como Cuidar de Cabelos Descoloridos

Bandeja de Ideias

Quando o cabelo sofre a descoloração, ele acaba rainbow-hair-1perdendo nutrientes importantes que precisam ser recolocados para que o cabelo não fique com aspecto ressecado, com frizz, pontas duplas, sofrendo quebras, ficando elástico e etc.
Porém, cuidados não devem realizados apenas quando se descolore por inteiro ou quando vai descolorir mais de uma vez. Os cuidados devem ser feitos sempre, mas quando faz descoloração isso se torna mais que necessário. Até quando se faz luzes (que também é descoloração) deve ter essas reposições, fazer uma hidratação por mês não adianta.

São três processos de cuidados, três etapas de reposições de nutrientes de igual importância:

  • Hidratação: é a reposição de água no cabelo. Procure por produtos que contenham vitaminas, extratos, panthenol, glicerina, aloe vera, álcool modificado (cetyl alcohol, cetearyl alcohol) e outros;
  • Nutrição: é responsável pela reposição de óleos. Por exemplo: óleo de coco, azeite, óleo de argan, manteiga de karité, ceramidas e outros;
  • Reconstrução:…

Ver o post original 227 mais palavras

Setembro Amarelo

A partir de 2015 o mês de setembro será marcado por campanhas, cujo o objetivo é conscientizar a população sobre a realidade do suicídio. 10 de setembro é Dia Internacional de Prevenção do Suicídio. Segundo o Centro de Valorização da Vida (CVV) pelo menos nova a cada 10 suicídios poderiam ser prevenidos, claro, que para isso é necessário falar sobre o assunto, parar de tratar a situação como “frescura” e ajudar o suicida. Mas suicídio não é um assunto abordado entre os familiares, nem entre os amigos, nem nas escola, médicos ou jornais… Existe um grande tabu sobre esse tema, fazendo com se calem, ninguém trata o assunto com a devida importância e gravidade mesmo com a perda 25 brasileiros por dia, isso parece um assunto fora do radar, invisível diante a sociedade. Em âmbito mundial a situação é mais preocupante ainda, a estimativa é de uma morte a cada 40 segundos.

Cabe destacar que a CVV esta procurando voluntários, você pode encontrar mais sobre o assunto aqui.

Nota-se grande comoção e mobilização sobre o assunto quando ocorre morte de algum artista como, por exemplo, Robin Williams se suicidou no ano passado. Porém mesmo em situações como essa o tema é tratado de forma muito superficial, não mostrando o quão próximo isso pode estar e que suicídio não ocorre apenas entre artistas e sim em qualquer lugar, muitos daqui já devem saber no seu meio familiar ou até mesmo no circulo social de algum caso de tentativa de suicídio, ou até mesmo de alguém que tenha consumado o ato.

suicidio11

Um quadro preocupante é o de suicídio de jovens no país, “No Brasil, a taxa de suicídio entre adolescentes e jovens aumentou pelo menos 30% nos últimos 25 anos. O crescimento é maior do que o da média da população […] A curva ascendente vai contra a tendência observada em países da Europa ocidental, nos Estados Unidos, na China e na Austrália. Nesses lugares, o número de jovens suicidas vem caindo, ao contrário do que acontece no Brasil”  (você pode ler a matéria sobre suicídio entre jovens aqui)

Bom, minha intenção com esse post era conscientizar vocês sobre suicídio assim como divulgar a campanha “Setembro amarelo” e o trabalho de CVV. Eu realmente espero que, levando como base os dados aqui fornecidos, que vocês comecem a prestar atenção nas pessoas ao redor e em suas necessidades, suicidas sempre dão sinais de que precisam de ajuda. Conversem abertamente com familiares e amigos sobre o tema, é sempre bom compartilhar conhecimento principalmente quando ele pode ajudar a salvar vida.

Cuidem-se!

Coisas para se fazer em um dia chuvoso

Boa tarde! Desculpem o sumiço, porém, ando bastante ocupada então terei que escrever apenas duas vezes por semana :/ depois estabeleço os dias que estou mais tranquila certinho e aviso vocês.

Enfim, vamos ao que importa. No grupo Blogs Up foi sugerido alguns temas de publicação e eu escolhi esse para falar um pouquinho aqui com vocês. Geralmente quando se fala em coisas para se fazer em um dia chuvoso se pensa em situações do tipo dormir, ler, assistir séries ou qualquer coisa que não exija sair de casa… Mas infelizmente, pelo menos na minha cidade, a maioria dos dias são chuvosos (algo que acho digno, já que odeio dias quentes) então esse sonho de passar o dia fazendo “nada” não existe na minha vida, tenho tarefas para entregar, provas,  estudar para vestibular, emprego e afins.

Mas, quando tenho um tempinho em casa e um clima bom (chuvoso ou nublado) tento fazer coisas que eu ache agradável e que sejam úteis… Como terminar aquele livro que não tive tempo de terminar ainda, assistir aquele filme que me indicaram faz tempo e to enrolando ou talvez colocar em dia aquela matéria que não entendi muito bem… Depende do meu humor. Organizar o quarto, montar playlist nova, fazer algum acessório ou personalização de alguma roupa, tentar receitas novas e desenhar também são bacanas de se fazer.

sou uma pessoa muito caseira, então quando posso ficar em casa aproveito ao máximo o conforto que tenho, até mesmo para acabar com um pouco do stress e me preparar psicologicamente para outra semana difícil.

Enfim, acho que é isso… Não costumo fazer nada de extraordinário nos meus dias livres, e vocês? O que fazem?

E desculpem o post pequeno, prometo recompensar vocês mais tarde ❤ E espero que não tenham muita neura com posts mais pessoais/de opinião, já que pretendo fazer mais desses com certa frequência… Até mais!

por que hablamos?

biblioteca passional

Nascemos. E nos dão assim de imediato país e idioma. As primeiras canções, os primeiros afetos, ainda balbuciados, nos chegam aos ouvidos brasileiros. E em dialetos portugueses crescemos em tamanho e linguagem. Nunca se pergunta aos niños em que língua se querem expressar e incansavelmente corrigem às crianças a conjugação dos verbos e os neologismos doces. Nosso amor e fraternidade definem-se em dicionário materno, monolíngue. Hasta que un día nos cheguem pelo rádio, pela tv, pelas telas virtuais, outros sons e diversos sentidos, sim, outras palavras.A descoberta de um outro idioma inaugura nas nossas vidas possibilidades de sentir e ser o que antes jamais ousáramos em nossa língua. As ideias de comunidade e pertencimento descontornam-se para se expandirem. Amamos  a fonética e a sintaxe estranha que despertam em cada um de nós o estrangeiro que nos habita. E nos transformamos em outros – personagens? – cada vez que deixamos escapar…

Ver o post original 670 mais palavras

Princesas Disney em versão realista

O designer gráfico Jirka Vinse Jonatan Väätäinen criou uma versão realista das personagens que fazem parte da infância -e talvez da vida- de muitas pessoas. Ele conseguiu manter as características principais até mesmo das princesas mais antigas como Mulan e Branca de Neve. Vale super a pena visitar o portfólio desse artista e ver seus trabalhos como designer, fotografo e modelo.

Enfim, aqui está algumas das que mais me agradaram.

8e7d19496cd08a12a058e1bfd85c7eda

Mulan.

bdd1dd4a0f3748fbf9c724a490abb457

Pocahontas

Eu tenho um amor especial tanto pela Mulan quanto pela Pocahontas, não pude deixar de me impressionar ao ver uma versão realista delas, fiquei realmente emocionada.

775100b73f79a8cb4e206d24cba2edfa

Branca de Neve

b69e9ff0fffcf2defc95d1fd131e8098

Megara

Enfim pessoal, é isso. Vocês podem encontrar as outras princesas aqui. Quais agradaram mais?

Ah, e antes que eu me esqueça Jirka também fez uma versão dos homens da Disney que você pode encontrar aqui.

Até mais!