Resenha literária

Os grandes filósofos que fracassaram no amor

Alguns dias atrás estava procurando livros em promoção que me despertassem algum interesse, pois bem, encontrei dois livros nos quais paguei barato e são ótimos. Nessa publicação irei tratar do livro “Os grandes filósofos que fracassaram no amor” de Andrew Shaffer, publicado pela Leya.

Em suma, o livro trata de forma resumida e com uma linguagem simples a vida amorosa -muitas vezes perturbada- de grandes filósofos e intelectuais da história.

Os textos são curtos, divididos em pequenos “contos” os quais têm, no máximo 4 ou 5 folhas, e cada um deles fala sobre um dos 37 filósofos tratados no livro. Eu, particularmente, adorei a forma como foram, divididos os textos, pois, esta divisão fez com que a leitura não ficasse tão cansativa ou tediosa já que eu tenho dificuldade para me manter interessada em qualquer coisa que seja. Essa forma de leitura foi bem prática para mim. Estabeleci a meta de ler a história de um ou dois filósofos por vez.

Antes da história de cada autor existe uma foto do mesmo (que muitas vezes não eram fotos e sim esculturas e pinturas, no caso dos mais antigos) com seu ano de nascimento e morte e também o nome completo.

AkJgo-Qfak5fcTxa5C4b-U6TjeZdiakJSFILUChm1oaW

Outra coisa no livro que me chamou muito a atenção é a presença de um pensamento sobre o tema antes de iniciar o texto do mesmo e eu por diversas vezes conseguia perceber por ela que tipo de história me esperava.

admin-ajax

John Dewey

E, por último, o “Nas palavras dele” no final de cada história. É um espaço onde o autor do livro cita trechos de trabalhos do filósofo em questão ou então de outros pensadores próximos a ele no qual se fala um pouco sobre suas experiencias amorosas, sua posição sobre o tema amor entre outras coisas.

admin-ajax (1)

Cabe ressaltar que as obras do autor são citadas em diversas partes do texto, mas de forma diferente e curta e sempre ligada a vida pessoal dele, como por exemplo:

“Mulheres são meretrizes manipuladoras que criam ciladas”, escreveu Lucrécio. Sua opinião estava supostamente baseada na experiência pessoal, relacionada a lenda da poção do amor […].

A esposa de Lucrécio, Lucila, cansada de ser ignorada enquanto o marido se dedicava à sua poesia, contratou uma feiticeira para criar uma poção do amor. […]”

Trecho do livro, pagina 29

Enfim, sem mais delongas, minhas observações finais sobre o livro.

Foi uma leitura muito cativante e proveitosa para mim, em diversas partes eu fiquei particularmente tocada com as histórias, a maioria dos filósofos citados no livro ou sofriam por excesso de “amor” ou pela total falta dele… Curiosa não? Muitos tiveram fatos na infância que os levaram a manter a posição que tiveram sobre o tema durante toda suas vidas como se fossem traumas que moldaram sua forma de ver o amor. Enquanto isso outros desprezavam todo e qualquer resquício de amor em suas vidas, se mostrando pessoas frias e impessoais com suas parceiras.

“A união sexual é o uso recíproco que um ser humano faz dos órgãos sexuais e da capacidade do outro.”

Immanuel Kant, pagina 79.

Você vai encontrar no livro diversas histórias singulares, desde os romances mais inspiradores porém que terminaram de forma trágica até os que abriram mão de toda e qualquer relação humana por motivos diversos… Adultério, suicídio, casamentos infelizes, “doações” de crianças e entre diversas outras coisas também rolam soltas no livro.

É basicamente isso galera, espero que gostem e esse livro quanto eu gostei. Tenho certeza que cada um vai ver cada história de uma forma diferente, o que é normal, então podem deixar as observações que fizeram sobre o livro caso queiram.

Até mais!

Anúncios